O Vírus H1N1 e o acidente de laboratório. Experimento militar?

É verdade que a pandemia de gripe suína foi resultado de uma falha de laboratório que espalhou o vírus de volta no mundo?

         Não é bem assim, mas a história do vazamento do vírus do laboratório é verídica sim.
         O vírus H1N1 já existia há muitos séculos tendo as aves selvagens como hospedeiras. Foi introduzido no homem provavelmente em 1918, quando causou a pior pandemia de gripe da história mundial, matando cerca de 40 milhões de pessoas. Quase que simultaneamente, o vírus também contaminou os porcos (possivelmente passou das aves para o homem e do homem para os porcos).
         A partir de 1918, o H1N1 continuou circulando entre aves, porcos e humanos, com as cepas se diferenciando em cada uma das espécies hospedeiras (a transmissão entre hospedeiros de espécies diferentes - homem, ave e porco - não é contínua e sim pontual com décadas de intervalo entre elas). Até que em 1957 o H1N1 desaparece por completo do homem. A gripe sazonal no homem passa a ter como subtipo predominante o H2N2 e, posteriormente, o H3N2. O H1N1 continuou circulando apenas em porcos e aves.
         Esporadicamente surgiam relatos de casos de seres humanos contaminados pelo vírus H1N1 que tinham contato direto com porcos contaminados, mas esses casos não apresentavam retransmissão do vírus de homem para homem.
         Em 1976, misteriosamente surge um surto de gripe pelo vírus H1N1 em humanos em uma base militar nos Estados Unidos (Fort Dix). Esses militares não tiveram contato direto com porcos e possivelmente tratou-se de algum experimento militar não divulgado. Felizmente, o vírus tinha uma infectividade (capacidade de transmissão entre pessoas) muito baixa (tentativa de vacina com vírus atenuado?) e o surto foi prontamente contido. No ano seguinte, entretanto, surge uma epidemia de H1N1 em humanos com foco inicial na União Soviética e China. A análise do vírus causador mostrou uma semelhança tão grande com cepas que estavam em circulação em 1950 que a falta de mutação só poderia ser explicada por uma reintrodução de uma cepa preservada em laboratório. 1
         Desde então o H1N1 voltou a circular entre humanos e a causar gripe sazonal, embora em menor proporção que o H3N2.
         O sorotipo que está causando a pandemia atual foi resultado de uma série de recombinações de materiais genéticos, que ocorreram em em pelo menos 3 fases distintas. Em um momento inicial houve uma recombinação de material genético entre o H1N1 que voltou a circular entre os homens e o H1N1 suíno. Depois entre o H1N1 suíno e o aviário. E por último uma recombinação entre sorotipos diferentes de H1N1 suíno. Esse, por sua vez, reinfectou o homem e ganhou transmissibilidade homem-homem.
         Isto significa que: diretamente não, a pandemia atual não é consequência de um vazamento de laboratório. Mas indiretamente sim, o vírus H1N1 reintroduzido em humanos no final da década de 70 por um erro de laboratório ou experimento militar entrou no caldeirão de mutações genéticas que gerou o sorotipo causador da pandemia atual.
.
Modificado de Zimmer et al. NEJM 2009 361:275

1. Historical Perspective - Emergence of H1N1.NEJM 361;3 July 16, 2009.


.

Nenhum comentário:

Postar um comentário